Loading...

sábado, 24 de julho de 2010

Desenvolvimento Sustentável


O desenvolvimento sustentável significa utilizar os recursos naturais de forma responsável, buscando atingir um desenvolvimento econômico e social, preservando a natureza, suprindo as necessidades da geração presente, sem prejudicar as condições de vida das futuras gerações.
Para atingirmos este tão almejado desenvolvimento por setores conscientes da sociedade, devemos praticar algumas ações sustentáveis, tais como:

  • Reduzir a exploração de recursos naturais, pois estão ficando escassos pela alta demanda atual de produção e consumo, e esta redução se da através da reciclagem e da reutilização de materiais como vidro, papel, metal, plástico, entulho da construção civil e etc;
  • Utilizar fontes de energia renováveis(solar, eólica, biomassa , geotérmica e hídrica), buscando dessa forma substituir as fontes esgotáveis(urânio, petróleo, gás natural, carvão, lenha) e causar menos ou nenhum impacto ao meio ambiente;
  • Incentivar o uso de carros elétricos, que podem substituir os combustíveis fosseis que poluem a atmosfera;
  • Reutilização da água, na qual tratada ou não é reutilizada para o mesmo ou outros fins, poupando este recurso que pode se extinguir e evitando assim o desperdício;
  • Utilizar o orvalho para irrigação possibilitando o cultivo em áreas com escassez de água, como em Israel.
  • A agricultura orgânica que não usa agrotóxicos, impedindo a contaminação do solo e das fontes de água, que preserva pequenas matas estabelecendo um controle biológico de pragas e insetos nas plantações, e para esta pratica também se utiliza a rotação de culturas visando desgastar menos o solo e diminuir a incidência de pragas e ervas daninhas;
  • Preservar florestas, rios, lagos, aquíferos (águas subterrâneas) e animais que são fundamentais à vida na Terra, mantendo o planeta em equilíbrio;
  • Evitar o desperdício de energia, desligando luzes e aparelhos que ficam ligados até mesmo quando não estão sendo usados e assim contribui-se para a diminuição do consumo e redução da demanda de energia produzida;
  • Educação ambiental visando a conscientização da população sobre a necessidade de atingir o desenvolvimento sustentável;

    Portanto, o desenvolvimento sustentável assegura o desenvolvimento econômico e a satisfação das necessidades básicas da população, como alimentação, educação, saúde, lazer, sem prejudicar a natureza e descomprometendo as gerações futuras. Ao invés da velha forma de desenvolvimento na qual nos preocupávamos somente em gerar riquezas indiscriminadamente sem pensar nas trágicas consequências que a nossa demasiada interferência causa, como as mudanças climáticas, o derretimento das calotas polares, o aumneto do buraco da camada de ozônio, devemos nos fixar em um desenvolvimento que vise à preservação da vida no planeta Terra, uma vez que só temos este planeta para habitar.

    Referencias:
    http://www.wwf.org.br/informacoes/questoes_ambientais/desenvolvimento_sustentavel/
    http://www.ecoalcance.net/index_ficheiros/Reuso.htm
    http://educar.sc.usp.br/biologia/textos/m_a_txt2.html

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Chuveiro econômico e ecológico


Uma empresa de minas gerais desenvolveu um equipamento que recupera o calor da água usada no banho para reaquecer a água que ainda vai entrar no chuveiro, que assim chega pré-aquecida, exigindo menor potência do chuveiro elétrico (item que mais gasta energia numa casa) e possibilita a redução de até 50 % no consumo em KW/h, independente da fonte utilizada para aquecer a água (Elétrica, gás, caldeira, solar e etc), e esta redução proporciona uma diminuição de até 30% na conta de energia de uma residência.
O invento foi criado pelo Tecnólogo José Geraldo de Magalhães, de Minas Gerais, que teve a idéia ao perceber que água quente era desperdiçada quando se esvaía pelo ralo. E assim ele inventou o "Recuperador de calor", que recicla o calor da água utilizada no banho para pré-aquecer a água fria que se dirige à entrada do chuveiro, reaproveitando em 80% a energia térmica da água. Este invento foi testado e aprovado na PUC Minas, e a pedido da Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG) se transformou em produto, que foi batizado de Kit Rewatt. Desde 2007 foram distribuídas milhares de peças para pessoas carentes da Região Metropolitana de Belo Horizonte, num programa elaborado e financiado pela CEMIG.
Além da economia de energia, o aparelho proporciona outras vantagens, tais como: economiza água; evita riscos de incêndio, sobrecarga do chuveiro e quedas de tensão e de chave; piso antiderrapante; não exige obras e manutenção e sim limpeza; é um produto ecológico.
O preço unitário do kit completo (base com o trocador de calor, conexões e chuveiro de oito temperaturas) é de R$ 390,00 e o frete é por conta do cliente.
Para mais Informações: www.rewatt.com.br

Referencias:

Jornal Bem Estar – Junho 2010

http://www.rewatt.com.br

terça-feira, 13 de julho de 2010

Resíduo Zero – Lixeiras vazias no Japão


Uma pequena aldeia de 2 mil habitantes no Japão é um exemplo para o mundo. Por não haver lugar para descartar seu lixo e ter de controlar a taxa de toxinas produzidas pela incineração, a vila de Kamikatsu, na ilha de Shikoku, busca atingir a taxa de resíduo zero.
O projeto Resíduo Zero foi implantado pelas autoridades locais no ano de 2003, que definiram que os próprios moradores reciclem o seu lixo. Os japoneses separam o lixo, com a disciplina que lhes é característica, em 34 categorias diferentes.
Para se ter uma idéia, é preciso separar garrafas PET de suas tampas, que ainda são divididas por cores, e as garrafas, pelo líquido que continham. Até pauzinhos de madeira (os hashis) são descascados e transformados em papel.
A maioria das casas têm sua própria composteira para transformar o lixo orgânico em adubo, e o governo incentiva a participação no programa doando bilhetes de loteria e bônus de alimentos.
Em 7 anos, a taxa de reciclagem de Kamikatsu subiu de 55% para 80%. O projeto do governo é desativar todos os incineradores e aterros sanitários até 2020. O exemplo ficou famoso no Japão e, agora, o país quer reproduzir o projeto em outras localidades.


Referencias:
Caderno Nosso Mundo Sustentável – Jornal Zero Hora – 26/04/10
http://www.kampa.com.br/blog/2008/10/06/kamikatsu-a-cidade-sem-lixeiros/

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Material biodegradável

O material biodegradável se decompõe naturalmente através de micro-organismos presentes no meio ambiente e nos dias atuais o seu uso é cada vez mais procurado, pois em curto espaço de tempo perde suas propriedades químicas nocivas. Apesar disto, não é a solução total para os problemas ambientais causados pelo lixo, pois com isso se induz que por ser um material que será degradado em menos tempo poderá ser jogado fora indiscriminadamente, uma vez que nós acharemos que é correto descartar dejetos na natureza e assim o meio ambiente ficará tomado por lixo, ocupando espaço, demorando um certo tempo para se decompor e podendo causar odor. Diversos materiais são biodegradáveis, tais como: o papel; embalagens de alimentos que podem ser decompostas juntamente com seu conteúdo; plástico empregado na agricultura em forma de laminas que podem ser misturadas na terra com o composto fertilizante e as sementes; suturas médicas absorvíveis; restos de origem animal (carcaças, ossos, gorduras) que quando são divididos em pequenas partes os fungos conseguem decompor o material e de vegetal (restos e cascas de frutas e legumes, folhas, galhos), que podem ser decompostos de forma aeróbica gerando gás carbônico, vapor d’água, sais minerais que geram o adubo para o solo e de forma anaeróbica que geram os gases metano e sulfídrico causando um odor desagradável e esta decomposição também produz o chorume que contamina os rios e lençóis freáticos.
Juntamente com o uso de materiais biodegradáveis devemos reciclar, reutilizar, reduzir para resolver os problemas que o lixo causa, como a exemplo do reaproveitamento do óleo de cozinha que através da reação de saponificação formada por um éster de ácidos graxos (óleos vegetais) e por uma base forte (NaOH – soda caustica ) que resulta no sabão que é um sal orgânico e no glicerol, que é um tipo de álcool. Desta maneira o óleo que seria descartado poluindo o meio ambiente, quando transformado em sabão, parte dele (apolar) se dissolve em gorduras quebrando - as e outra parte (polar) é solúvel em água, mas ainda deixa um resíduo na água, que com o tratamento de efluentes desempenhado por uma estação de tratamento de esgotos degrada este dejeto que restou, recuperando a potabilidade da água.
Portanto a biodegradabilidade ameniza os efeitos que o lixo causa no meio ambiente e, além disso, devemos reciclar, reutilizar e reduzir os rejeitos mesmo que não se tornem totalmente biodegradáveis no meio ambiente, como o sabão caseiro, pois sendo assim torna-se menos danoso do que jogar o óleo diretamente na natureza e fica mais fácil de degradá-lo. Os biodegradáveis sintetizados como é o caso das embalagens e do plástico, são alternativas que se tornam viáveis quando não existe outro jeito de reutilizá-los e devem ser descartados de uma forma responsável na natureza.


Referencias:

http://www.futurenergia.org/ww/pt/pub/futurenergia/chats/bio_plastics.htm
http://www.cdcc.sc.usp.br/quimica/experimentos/sabao.html
http://ambientes.ambientebrasil.com.br/residuos/reciclagem/reciclagem.html

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Receita de sabão caseiro


Ingredientes:

1 litro de Óleo de cozinha usado
250 gramas de Soda caustica em escamas
250 mililitros de água
Essencia(opcional)

Modo de fazer:
Dilua a soda caustica na água e em seguida adicione a mistura ao óleo aquecido em um recipiente de vidro e mexa até que forme uma massa consistente (sem endurecer totalmente), por ultimo acrescente a essência e coloque em uma forma e espere secar por 1 ou 2 dias e corte as barras.

Observações: Cuidado ao manipular a soda, coloque luvas e mascara no preparo, pois a soda cáustica é corrosiva e tóxica. Para cada quantidade de óleo, calcule ¼ desta de soda caustica.


Referencias:
http://www.ecologiaonline.com/receitas-para-preparar-sabao-caseiro/
http://www.youtube.com/watch?v=Nmxdfkr7elY&feature=related