Loading...

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Educação ambiental


No mundo atual quando se fala para as pessoas não jogarem resíduos no ambiente, por vezes ouvimos delas que não adianta colocar o resíduo no lixo se as outras pessoas não as acompanham na atitude correta., e é por esse pensamento que o mundo está vivendo catástrofes ambientais, pois um joga a responsabilidade para outro.
Frente a falta de consciência ambiental que vivenciamos hoje, temos que investir em educação ambiental, conscientizando as pessoas sobre o papel que o homem exerce na natureza. O investimento nessa educação começa nas crianças, pois quando crescerem vão ensinar outras crianças e assim se cria uma consciência ambiental forte, quebrando os paradigmas de que para desenvolver-se economicamente precisa pregar a destruição.
Devemos ensinar nossas crianças nas escolas a separar o lixo seco e orgânico, plantar mudas de árvores, desperdiçar menos água e alimentos, fazer seus próprios brinquedos de materiais recicláveis, entre outras práticas. Quando a criança faz seu próprio brinquedo a sua criatividade e auto-estima aumentam, pois ela sente que além de brincar está contribuindo para um mundo melhor.
Com a educação ambiental nas escolas, a garotada ao chegar em casa questiona seus pais por não cuidarem do meio ambiente e desta forma os adultos acabam tomando consciência dos atos degradatórios que cometem diariamente, seja derrubando árvores ou não separando o lixo.
Logo abaixo ensino como fazer um Ioiô de papel e elástico.

Ioiô de papel e elástico:
*Papel de jornal ou de caixa de sapato
*Fio látex
* Fita adesiva colorida
* 1 Tesoura
Faça uma bolinha de papel, coloque fitas adesivas sobre a bolinha e cole um pedaço de fita látex e está pronto o ioiô.

Referência: http://www.youtube.com/watch?v=Edxo_OMMYA8

domingo, 4 de novembro de 2012

Retrato do descaso do lixo

No Brasil, a maior parte dos resíduos solidos urbanos são de comidas jogadas no lixo que somam mais de 25 milhões de toneladas ao ano, o que seria suficiente para alimentar 30 milhões de pessoas, segundo dados da FAO(órgão da Onu sobre alimentação e agricultura). Nas grandes cidades os tonéis de resíduos de restaurantes estão abarrotados por sobras de comida diariamente. Esse desperdício todo daria para alimentar milhares de famílias carentes, mendigos, creches, albergues e dessa maneira iria diminuir a fome no país e evitar que tantas toneladas de restos de comidas lotassem os aterros e lixões, que quando se decompõem provocam a contaminação de mananciais através do chorume(líquido percolado) e a alta produção de gás metano, um dos responsáveis pelo efeito estufa.
Em ambito federal a Lei 3071, de 1916, proíbe doação de comida pronta, pois quem doa uma refeição assume os riscos caso alguém passe mal e preve detenção de até 5 anos para o responsável, mesmo se a comida for bem acondicionada e manipulada. O senador cearense, Lúcio Alcântara , criou um projeto de lei em 1997, que livra a responsabilidade cívil e criminal por dano de quem doa o alimento, desde que se prove que se está agindo de boa fé, mas o projeto está parado no senado desde 2007.
Essa lei é falha, pois mesmo não doando diretamente aos pobres e famintos, os mesmos reviram os lixos e lixões em busca de comida, com um risco ainda maior de a comida estar estragada. A lei deveria ser alterada, prevendo a análise de nutricionistas que verficassem a boa qualidade da comida doada.
Mas, frente esta problemática não devemos só esperar aões dos nossos governates e legisladores e sim fazer a nossa parte, como servir nosso prato de comida só com a quantia necessária que vamos comer, reaproveitando ao máximo as refeições que sobram e realizando a compostagem, que é uma técnica para transformar restos de alimentos em adubo.
Logo abaixo coloco uma receita de como fazer a compostagem.

Compostagem Caseira:

1.Separar cascas de frutas e legumes, de ovo, pó de café, sementes.
2.Colocar os residuos em um balde de plástico velho, caixa de madeira, galão de água vazio ou caixa d'água quebrada.
3. Fazer furos no fundo do recipiente que escolher, para que possa escorrer o chorume, que deverá ser colocado em outro recipiente, colocado em baixo do recipiente da composteira.
4. Dentro do recipiente, depositar camadas de resíduos orgânicos alternadas com camadas de folhas secas de árvores , plantas diversas, aparas de gramas secas ou serragem, como se fizesse um sanduíche. Finalize sempre com a parte seca, para evitar mau cheiro e a presença de insetos. Fazer isto, até que o recipiente fique cheio.
5. Deixe descansar de 2 a 3 meses, dependendo do tamanho deste recipiente. Neste período, comece uma nova composteira.
6. Durante os meses de descanso, revire este material uma vez por semana, para oxigenar a composteira e distribuir umidade e calor. No processo de decomposição ocorrerá o aquecimento da composteira, que significa que as bactérias estão trabalhando. Se isso não acontecer, verificar se não é necessário umedecer a composteira, ou se a quantidade de matéria seca não for muito maior que a de resíduo orgânico.
7. O adubo estará pronto quando tiver uma aparencia uniforme, como uma terra preta e já estiver fria.

Referencias: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/lixo/comida-jogada-fora-aumenta-poluicao-682620.shtml
http://familiaorganica.blogspot.com.br/2011/08/compostagem-caseira-receita.html